.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
O uso do novo sistema dará mais agilidade processual e segurança na tramitação dos feitos digitalizado - Foto: Rose May
O uso do novo sistema dará mais agilidade processual e segurança na tramitação dos feitos digitalizado - Foto: Rose May

A versão do PJe 2.0 (Processo Judicial Eletrônico) entrou em pleno funcionamento nesta segunda-feira (29/4), como estava previsto pelos técnicos de TI do Tribunal de Justiça da Paraíba. Por volta das 16h, os usuários do 2º Grau de jurisdição já estavam trabalhando na nova plataforma e, no início da noite, o acesso foi liberado para os públicos interno e externo do 1º Grau. O dia serviu para a realização dos ajustes finos na recente tecnologia implantada no Poder Judiciário Estadual, que dará mais agilidade processual e segurança na tramitação dos feitos digitalizados.

Conforme o gerente de Desenvolvimento de Tecnologia da Informação (Ditec) do Tribunal, Ney Robson Medeiros, objetivo é sempre disponibilizar uma plataforma segura e de fácil manuseio. “Neste primeiro momento, as dificuldades na operalização são normais. A mudança mais sensível está no visual e como localizar as atividades de trabalho. Mas, em um curto espaço de tempo, os servidores vão dominar a técnica e o trabalho vai fluir muito mais rápido e seguro”, comentou

Para auxiliar o aprendizado do PJe 2.0, desde o dia 03 de abril deste ano, a Ditec disponibilizou um curso via Ensino a Distância (EaD), que pode ser acessado no ambiente virtual de aprendizado no site do Tribuna de Justiça, na intranet, até o dia 30 de maio. Para isso, basta entrar na página do Tribunal, com login e senha usados na intranet. A partir daí, o servidor vai visualizar o ‘Ambiente Virtual de Aprendizado’. Nessa janela, deve ser clicado no ícone Ditec. É neste campo que está o link PJe 2.0, com os módulos de aprendizagem, layout de navegação e fóruns de dúvidas e comentários, entre outros tópicos.

“O curso foi criado para que o usuário se familiarizasse com o novo sistema, desde a parte de acesso e sem restrição de navegadores de internet. Recomendamos, ainda, o Mozila, mas pode ser o Crome, Safari, Internet Explorer ou qualquer outro navegador”, informou Ney Robson Medeiros.

Os ganhos com a chagada do PJe 2.0 são muitos, pois a plataforma de tecnologia é bem adiantada em relação a anterior (PJe 1.0). Segundo o gerente da Ditec, o sistema está mais rápido, além de abrir uma série de possibilidades que o Tribunal pode oferecer ao usuário. “Possibilidades estas que estavam impedidas de serem realizadas na versão anterior, como a integração do PJe com a Central de Mandados Eletrônicos e a publicação do Diário da Justiça eletrônico”, disse. Até o final de maio, será feita a integração do Diário ao PJe 2.0.

Versão PJe 2.1

No segundo semestre deste ano, o TJPB vai implantar o PJe 2.1. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) disponibilizou a nova versão em fevereiro deste anol. Uma equipe do TJPB participou de um treinamento específico sobre a plataforma, envolvendo a parte de fluxo de trabalho e funcionalidades. Nos próximos meses, o CNJ deve enviar a versão final do PJe 2.1, onde vai abarcar a digitalização dos processos criminais, como os demais feitos físicos e os novos processos.

Fonte: TJPB


Tópicos: Processo Judicial Eletrônico (PJe),TJPB