.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
 O juiz André Gonçalves de Oliveira Salce (centro) com a equipe da 26ª vara federal da Seção Judiciária de Minas Gerais: destaque para o ambiente de produtividade construído através do diálogo - Divulgação
O juiz André Gonçalves de Oliveira Salce (centro) com a equipe da 26ª vara federal da Seção Judiciária de Minas Gerais: destaque para o ambiente de produtividade construído através do diálogo - Divulgação

O Selo Estratégia em Ação – Exercício 2018, implantado pelo TRF da 1ª Região, com sede em Brasília, que abrange 13 Estados da Federação e o Distrito Federal, premiou diversas unidades da Seção Judiciária de Minas Gerais. A 26ª Vara Federal se destacou ao obter o primeiro lugar, na classificação geral no âmbito da 1ª Região, além de ter sido contemplada com o Selo Diamante.

O juiz federal da 26ª Vara, André Gonçalves de Oliveira Salce, atribuiu a conquista da premiação ao trabalho de equipe e ao ambiente de produtividade construído através do diálogo, da reorganização de tarefas entre os diferentes setores e da definição de metas claras, possíveis de serem cumpridas, entre outras práticas.

Em relação ao êxito obtido no julgamento dos processos mais antigos (Meta 2), o diretor do secretaria da 26ª Vara, Marco Antônio Pereira Silva, mencionou o comprometimento do juiz federal André Gonçalves com as metas estabelecidas. “Foi fruto do planejamento prévio e organização do juiz federal titular, André Gonçalves de Oliveira Salce, do Gabinete e de toda a Secretaria, para promover celeridade nos processos incluídos na Meta, além de acompanhamento constante de sua tramitação. É importante mencionar que, até o mês de maio, houve significativo auxílio do juiz federal substituto, João Miguel Coelho dos Anjos, antes de o mesmo ser designado para atuar na 7ª Vara Federal, com prejuízo da 26ª” - esclareceu.

No que diz respeito aos resultados obtidos na conciliação de processos (Meta 3), o diretor Marco Antônio salientou as ações que concorreram para o bom resultado. “Ao longo do ano, foram realizadas várias audiências pelo juiz titular, sobretudo em embargos de terceiros, nos quais a taxa de sucesso foi elevada. Ademais, contou-se com grande auxílio do Núcleo de Conciliação da Seção Judiciária, sobretudo nas execuções de título executivo extrajudicial da Caixa Econômica Federal” - disse.

O juiz federal André Gonçalves concedeu uma breve entrevista na qual esclarece quais foram as principais ações adotadas pela 26ª Vara que resultaram na premiação.

A 26ª Vara Federal logrou o primeiro lugar na classificação geral, tendo atingido o percentual de 570, 59% no cumprimento da Meta 1. O senhor gostaria de comentar sobre esse resultado e sobre quais os fatores que contribuíram para esse sucesso? Qual foi a estratégia implantada para imprimir mais celeridade aos julgamentos - qual o diferencial desse trabalho?
No ano de 2018, assim que as metas do CNJ para o ano foram divulgadas, reuniu-se a equipe para traçar estratégias para se alcançar as metas. Através de diálogo entre os setores, ótimo clima institucional e a estipulação de metas trimestrais e anuais para cada setor, o trabalho foi desenvolvido e os resultados acompanhados frequentemente. Ao fim de cada trimestre, a equipe se reunia para dialogar sobre os resultados e eventuais dificuldades e desafios. Além disso, foram otimizadas tarefas, antes divididas em etapas por diferentes setores da Vara, dinamizando a tramitação e simplificando atos.

Quais as boas práticas implantadas na 26ª Vara, que podem ser também adotadas por outras unidades?
Entre as boas práticas adotadas ao longo do ano, cabe destacar a definição de metas claras, possíveis de cumprimento e ao mesmo tempo desafiadoras para a Vara como um todo e para cada uma das seções/setores.

A criação e manutenção de um clima de harmonia, respeito e boa convivência foi fundamental para a motivação e empenho dos servidores, na busca pelos resultados.

É importante mencionar também a reorganização de tarefas entre os diferentes setores, com o objetivo de dinamizar a tramitação dos processos, simplificando atos. Houve profunda revisão dos modelos de despachos, decisões e sentenças, além de atualização da Portaria de Atos Ordinatórias, de forma a modernizá-la, em conformidade com o CPC 2015 e inovações tecnológicas recentes.

Fonte: SJMG


Tópicos: TRF1 (AC, AM, AP, BA, DF, MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR, TO)