Últimas páginas visitadas

Demandas repetitivas, Núcleo de Gerenciamento de Precedentes (NUGEP), Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte
Unidade reúne dados de processos que esperam decisão dos tribunais superiores (Lucas Castor/Agência CNJ)

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), em sessão plenária no último dia 7, instituiu o Núcleo de Gerenciamento de Precedentes (NUGEP). Na prática, o núcleo serve como um banco de dados para gerir as informações relacionadas às demandas repetitivas, de repercussão geral, processos sobrestados aguardando julgamento dos tribunais superiores, envolvendo os 1º e 2º graus de jurisdição e os juizados especiais.

No dia 9, o vice-presidente do tribunal, desembargador Gilson Barbosa, representou o presidente Expedito Ferreira em reunião no Supremo Tribunal Federal, com a ministra Carmem Lúcia, que, entre outros temas, tratou da instituição dos núcleos nos tribunais estaduais. Barbosa preside o NUGEP potiguar.

Com a aprovação da resolução, todas as unidades judiciais devem alimentar o sistema com informações e também seguir as determinações que vêm dos tribunais superiores.

Vinculado à vice-presidência do tribunal, o núcleo surge como unidade permanente, em substituição ao Núcleo de Repercussão Geral e Recursos Repetitivos (NURER). Quando estiver em pleno funcionamento, o NUGEP evitará que recursos que tratam de matérias repetitivas subam para tribunais superiores, através de um controle da quantidade de processos que chegam ao TJRN.

O NUGEP foi instituto atendendo ao que determina a Resolução nº 235, de 13 de julho de 2016, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que dispõe sobre a padronização de procedimentos administrativos decorrentes de julgamentos de repercussão geral, de casos repetitivos e de incidente de assunção de competência previstos no Código de Processo Civil de 2015.

Pela Resolução, o NUGEP será supervisionado por uma Comissão Gestora composta pelo desembargador Gilson Barbosa, atual vice-presidente, que a presidirá; por um desembargador integrante de uma das três Câmaras Cíveis; e por um desembargador integrante da Câmara Criminal. Os desembargadores deverão ser indicados pelo Pleno do TJRN.

Atribuições do NUGEP

Entre as atribuições, o NUGEP do TJRN deve informar ao NUGEP do CNJ e manter na página do tribunal na internet dados atualizados de seus integrantes, bem como enviar esses dados, observadas as competências constitucionais, ao STF e ao STJ, sempre que houver alteração em sua composição.

Deve também uniformizar o gerenciamento dos procedimentos administrativos decorrentes da aplicação da repercussão geral, de julgamentos de casos repetitivos e de incidente de assunção de competência.

É tarefa ainda do núcleo acompanhar os processos submetidos à técnica dos casos repetitivos e da assunção de competência em todas as suas fases, alimentando o banco de dados correspondente.

O NUGEP deve acompanhar a tramitação dos recursos selecionados pelo tribunal como representativos da controvérsia encaminhados ao STF e ao STJ, a fim de subsidiar a atividade dos órgãos jurisdicionais competentes pelo juízo de admissibilidade e pelo sobrestamento de feitos, alimentando o banco de dados sobre controvérsia recebida pelo tribunal superior.

Também deverá manter, disponibilizar e alimentar o banco de dados previsto no art. 5º da Resolução nº 235/2016 do CNJ, com informações atualizadas sobre os processos sobrestados no primeiro e segundo graus de jurisdição, incluindo as Turmas Recursais dos Juizados Especiais.

Fonte: TJRN


Tópicos: demandas repetitivas,Recursos repetitivos,Repercussão geral

SEPN Quadra 514 norte, lote 9, Bloco D CEP: 70760-544 

Telefones - 55 61 2326-5000 Horário de atendimento ao público: das 12h às 19h, de segunda a sexta-feira, exceto nos feriados.

W3C Válido