.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
Brasília, 05/11/2105 --Audiência de Custódia - TJDFT. Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ
Audiência de custódia. Crédito: Luiz Silveira/Agência CNJ.

O juiz Carlos Augusto Arantes Júnior, titular das audiências de custódia na Comarca de Teresina, iniciou a implementação do Sistema de Audiências de Custódia (Sistac) na segunda-feira (28/3). A ferramenta permite emissão automatizada do termo de audiência e facilita a compilação de dados, o que evita a inclusão das mesmas informações em sistemas diferentes.

Além de traçar um perfil da porta de entrada do sistema prisional brasileiro e do movimento criminal com mais precisão, é possível comparar e verificar casos de reincidência, pois o sistema garantirá o armazenamento de registros para consulta e atualizações de perfis com vinculação de novas atas. O sistema permite, também, analisar os resultados das audiências, inclusive depurar as denúncias de torturas e maus-tratos e seus desdobramentos. O objetivo é identificar os possíveis entraves na operação do procedimento como um todo, agilizando a proposição de soluções para problemas.

Como funciona - A partir do preenchimento de campos objetivos de questionamentos, o Sistac terá composição de filtros de pesquisa que podem gerar quadros estatísticos específicos conforme o interesse de quem consulta. Os Tribunais de Justiça terão acesso a todos os registros que produzir, acessando e compondo sem intermediação seus próprios dados estatísticos.

Fonte: TJPI


Tópicos: TJPI,penas e medidas alternativas,audiência de custódia