.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
Representantes de diversas instituições que desenvolvem trabalhos voltados para a prevenção, o tratamento e a reinserção social de dependentes químicos reuniram-se, na tarde da última terça-feira (31/05), no 1º Salão do Júri do Fórum Clóvis Beviláqua, durante o VII Encontro da Rede de Apoio ao Adicto Jurisdicionado, promovido pelo Núcleo de Justiça Terapêutica da Vara de Penas Alternativas da Comarca de Fortaleza. Durante o evento, os participantes compartilharam experiências e dificuldades enfrentadas, buscando construir soluções conjuntas. O coordenador do Núcleo, psicólogo Elton Gurgel, ressaltou a importância da integração entre as instituições para que se possa alcançar resultados efetivos contra as drogas. “Apesar das diferenças de atuação de cada uma, todos falamos o mesmo discurso e temos os mesmos objetivos, e por isso é fundamental que atuemos em rede, para que cada instituição possa contar com a outra como parceira”, disse.

A juíza titular da Vara de Penas Alternativas, Maria das Graças Almeida de Quental, destacou que o tratamento e a reinserção social são essenciais para reduzir a reincidência entre os adictos jurisdicionados. “Só unidos conseguimos vencer as grandes dificuldades. E nossa maior dificuldade, hoje, é o descumprimento da pena alternativa e a reincidência, que em geral está diretamente ligada ao uso das drogas”, afirmou.

A coordenadora do Pacto pela Vida, Juliana Sena, foi uma das palestrantes do evento. Ela apresentou o projeto, desenvolvido pelo Núcleo de Altos Estudos da Assembleia Legislativa do Ceará, cujo objetivo é propor políticas públicas de prevenção e combate à dependência química. “A complexidade desse tema é tão grande, que só através de uma discussão contínua e coletiva, em que cada um pode trazer um pouco de seu conhecimento e suas vivências do cotidiano, poderemos dar um direcionamento mais adequado às políticas públicas para a área”, considerou.

O evento contou ainda com a participação do major Plauto Ferreira, que abordou o tema “Abordagem policial e drogadicção”, e com apresentação do vídeo “Justiça Humanizada: atenção multiprofissional a usuários de drogas”, produzido pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Participaram do evento representantes dos Centros de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas (Caps AD); dos grupos de ajuda mútua, como Alcoólicos Anônimos (AA) e Narcóticos Anônimos (NA); de grupos familiares, como Nar-Anon e Al-Anon; além de várias outras organizações não-governamentais e comunidades terapêuticas.


Fonte: Assessoria de Comunicação do TJCE