.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo
Debate soluções para sistema carcerário Brasileiro com organizações da sociedade Humanitas 360.(Coord. do DMF Luis Lanfredi faz apresentação para pres. do Humanitas 360 Patrícia Vilela Marino). FOTOS:G.Dettmar/Ag.CNJ
Debate soluções para sistema carcerário Brasileiro com organizações da sociedade Humanitas 360.(Coord. do DMF Luis Lanfredi faz apresentação para pres. do Humanitas 360 Patrícia Vilela Marino). FOTOS:G.Dettmar/Ag.CNJ

O juiz coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema Socioeducativo (DMF/CNJ), Luís Geraldo Lanfredi, recebeu na terça-feira (27/11) duas organizações da sociedade civil para debater soluções para a situação crítica do sistema carcerário brasileiro. Com a Humanitas360, está em fase final de formatação um termo de cooperação técnica para fortalecer programa e permitir a elaboração de uma política consistente de reinserção de presos e ex-presos. À Human Rights Watch, Lanfredi apresentou o plano de trabalho para os dois anos de mandato do presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli.

Com a parceria com a Humanitas360, o CNJ recorre a uma experiência da sociedade civil que apoia projetos de cooperativas de presos no Pará e em São Paulo. No Centro de Recuperação Feminina de Ananindeua/PA, município da Grande Belém, uma cooperativa de presas criada em 2013 serve como paradigma para a Humanitas360. O projeto gera emprego e renda para presas e mulheres que já deixaram a prisão. O projeto já empregou 209 mulheres em uma mini-indústria têxtil e nenhuma delas voltou à prisão, de acordo com a diretora da unidade prisional, Carmen Botelho, idealizadora da iniciativa.

Segundo a presidente da organização, advogada Patrícia Vilela Marino, a ideia é ajudar a disseminar o conceito de empreendedorismo “cívico-social” ao sistema prisional, como uma incubadora de negócios para colaborar com a reintegração da população carcerária à sociedade. Na Penitenciária Feminina 2 de Tremembé, município do interior paulista, a organização não-governamental apoia uma cooperativa de 30 presas que produzem peças de moda e artesanato, com o apoio de parceiros filantropos.

Na primeira versão do termo que deverá ser assinado proximamente, o objetivo da cooperação é descrito com os objetivos de fortalecimento da dignidade, da educação formal, da emancipação e reintegração de pessoas presas, com foco em iniciativas de fomento ao empreendedorismo cívico-social dentro e fora das unidades prisionais.

“Estamos cuidando de construir um termo de cooperação para apresentar ao país um modelo alternativo de cooperativas sociais cujo objetivo é absorver e valorizar as capacidades individuais de presos e egressos do sistema carcerário. O diferencial dessa pactuação é que buscamos, através dela, conclamar e envolver a sociedade civil na solução do grave problema do elevado índice de reincidência no país. Esse não é só um problema do Estado brasileiro, mas diz respeito a todos nós. As pessoas que deixam os nossos presídios, hoje em dia, têm que ser valorizadas pelo que sabem fazer e não a partir do que se diz que devam elas fazer. São úteis à sociedade e à economia do país. O incentivo à disseminação desses modelos de organização de atividade econômica facilita e propicia a emancipação de presos e egressos, permitindo-lhes vencer os estigmas que decorrem da passagem pelo sistema de justiça”, afirmou Lanfredi.

A intervenção do CNJ na área prisional nos próximos dois anos inclui dar efetividade às iniciativas de reintegração social e neutralizar os riscos de reincidência criminal da pessoa que passa um tempo encarcerada e volta ao convívio social sem meios para sobreviver. Para esse fim, entre outras iniciativas, serão revalorizadas, concomitantemente, as apostas em programas como o “Começar de Novo” e os “Escritórios Sociais”, com excelentes resultados já apresentados até aqui.

Human Rights Watch – Lanfredi também recebeu nesta terça (27/11) a diretora da organização de defesa dos direitos humanos no Brasil, Maria Laura Canineu, e o pesquisador da organização, César Muñoz, para apresentar o plano de trabalho do CNJ para o sistema carcerário brasileiro. “Estamos muito ansiosos para ouvir sobre a realização dos planos de implantação das audiências de custódia, da ressocialização da população carcerária e da execução penal eletrônica. Continuaremos observando, cooperando e prontos para trabalhar em conjunto para fazer com que a situação prisional do Brasil não seja tão assombrosa como é hoje”, afirmou a diretora Maria Laura Canineu.

Manuel Carlos Montenegro
Agência CNJ de Notícias


Tópicos: sistema carcerário e execução penal,Ressociliazação