.
Início do cabeçalho
.

Início do conteúdo

Início do conteúdo

Depois de reunir-se com representantes dos juizados especiais federais e estaduais de todo o país, em encontro promovido no dia 31 de agosto, na sede do Conselho Nacional de Justiça, a Comissão de Juizados Especiais do Conselho enviou à Comissão de Estatística sugestões relativas à aplicação de formulário de coleta de dados voltados à elaboração de diagnóstico sobre os juizados.

 "A maior parte das sugestões apresentadas foram inseridas nos formulários do Banco Nacional de Dados do Poder Judiciário, e as não acolhidas serão objeto de análise, oportunamente, à época da elaboração de uma pesquisa qualitativa", informam os conselheiros Eduardo Lorenzoni e Germana Moraes, que integram a Comissão de Juizados Especiais. Segundo eles, o objetivo é alcançar uma participação ampla e democrática de todas as unidades da Federação e das associações de magistrados, além da Consulta Aberta ao Público na página do Conselho na internet.

 

A Comissão agradece as sugestões de indicadores estatísticos encaminhadas pelo coordenador do juizado especial do Rio Grande do Sul, juiz Ricardo Pippi Schmidt, e da Paraíba, juiz Antônio Silveira Neto; pela representante da Comissão Legislativa do Fonaje, juíza Mariella Ferraz de Arruda P. Nogueira; pelos  representantes dos Tribunais de Justiça de Santa Catarina, de São Paulo, Juiz  Ricardo Cunha Chimenti, e de Goiás, juízes Liliana Bittencourt e Luís Antônio Alves Bezerra; pela representante do Fonajef, juíza Sandra Meirim Chalu Barbosa de Campos; bem como aquelas encaminhadas pelos coordenadores regionais dos juizados especiais federais: desembargadores federais Ítalo Fioravanti Sabo Mendes, Antônio Cruz Netto, José Eduardo B. Santos Neves, Edgar Antonio de Lippmann Júnior, e Petrúcio Ferreira.

Até o final deste mês, o CNJ ainda aguarda o envio de sugestões para a pesquisa qualitativa por parte dos demais representantes de juizados especiais.